Busca de navegação

Navegação

Busca

Siga-me por RSS Siga-me no Facebook Siga-me no Twitter Siga-me no LinkedIn Siga-me no Google+

Bicho tem Alma?

Há um evento conseqüente com respeito aos filhos da humanidade e um evento conseqüente com respeito ao animal, e há para eles o mesmo evento conseqüente. Como morre um, assim morre o outro; e todos têm apenas um só espírito, de modo que não há nenhuma superioridade do homem sobre o animal, pois tudo é vaidade. Todos vão para um só lugar. Todos eles vieram a ser do pós e todos eles retornam ao pó.” ECLESIASTES 3: 19 – 20.

 

De uma coisa o índio tem certeza: a terra não pertence ao homem, é o homem que pertence à terra, pois tudo está inter-relacionado entre si. O que fere a terra fere também os filhos da terra. Não é o homem quem tece a teia da vida, ele é apenas um de seus fios. O que quer que faça a essa teia faz a si próprio.” - Cacique Seatle (1855), respondendo ao Presidente dos EUA, que pretendia tomar as terras dos Índios.

BICHO TEM ALMA?
Conversas sobre natureza e ecologia para quem não tem tempo.
VILMAR BERNA

De uma coisa o índio tem certeza: a terra não pertence ao homem, é o homem que pertence à terra, pois tudo está inter-relacionado entre si. O que fere a terra fere também os filhos da terra. Não é o homem quem tece a teia da vida, ele é apenas um de seus fios. O que quer que faça a essa teia faz a si próprio.

 

Cacique Seatle (1855), respondendo ao Presidente dos EUA, que pretendia tomar as terras dos Índios.

 

ÍNDICE

 

INTRODUÇÃO: EDUCAR PARA A VIDA

1
POR QUE O MAR NÃO TRANSBORDA E INVADE A TERRA?
2
É DEUS QUEM SOPRA O VENTO?
3
FOI DEUS QUEM PLANTOU AS FLORESTAS?
4
AS PLANTAS COMEM O QUE?
5
PLANTAS TAMBÉM TÊM NARIZ?
6
POR QUE AS FLORES SÃO COLORIDAS?
7
BICHO TEM ALMA?
8
EXISTEM OUTROS PLANETAS IGUAIS AO NOSSO?
9
PARA ONDE VÃO AS ESTRELAS DURANTE O DIA?
10
NÓS ESTAMOS PARADOS NO ESPAÇO?
11
POR QUE NÃO É ASSASSÍNIO MATAR ANIMAIS?
12
ADÃO FOI O PRIMEIRO HOMEM?
13
QUEM É O DONO DE TUDO?
14
A ÁRVORES É BOA PORQUE É ÚTIL?
15
POR QUE DEUS FEZ AS PRAGAS?
16
POR QUE O HOMEM DESTRÓI A NATUREZA?
17
POR QUE O ESTADO NÃO ACABA COM A POLUIÇÃO?
18
O CAPITALISMO É CONTRA A NATUREZA?
19
TRABALHADOR TAMBÉM DEVE LUTAR PELA ECOLOGIA?
20
LUTAR PELA ECOLOGIA É SÓ DEFENDER A NATUREZA?
21
OS ECOLOGISTAS SÃO CONTRA O PROGRESSO?
22
ECOLOGISTA NÃO DEVE METER-SE EM POLÍTICA?
23
A LUTA EM DEFESA DA NATUREZA É MESMO URGENTE?
24
A LUTA ECOLÓGICA É UM MODISMO?

Introdução

 

Educar para a vida

Muitas vezes achamos que, para respeitar o meio ambiente, basta conhecer bastante sobre ciências, geografia, plantas e bichos.

Mas não é bem assim.

Não é por falta de conhecimento que o meio ambiente é destruído. Mas porque faltam valores éticos e espiritualidade. Nós somos partes do planeta. Não podemos fazer com ele o que quisermos, pois, no fim, nossa espécie é que acaba sendo prejudicada.

O planeta não e um armazém de recursos naturais infinitos ou uma enorme lixeira que possa suportar indefinidamente nosso modelo predatório de desenvolvimento.

Não somos donos da natureza. A natureza e que é dona de nós. Se continuarmos poluindo e destruindo tudo, será a nós próprios que estaremos destruindo. Por isso deve haver limites para o crescimento humano. Mas que limites são esses? Não sabemos e descobri-los é nosso desafio e das gerações futuras.

Mas não basta só mudar nossa relação com o planeta, com as plantas e com os bichos. Precisamos mudar nossas relações entre nós próprios, pois, se vivemos num sistema baseado na exploração de um pelo outro, como compreender uma relação mais harmônica entre nossa espécie e as outras, consideradas "inferiores"?

Também precisamos rever nossos valores pessoais. Nossa idéia de felicidade é mais baseada no ter do que no ser. Confundimos felicidade com a posse de bens materiais, fama, poder, e isso gera mais e mais necessidade de recursos naturais para produzir esses bens e relações humanas cada vez mais baseadas na competição e domínio de uns sobre os outros, gerando destruição ambiental e infelicidade nas relações humanas.

“BICHO TEM ALMA?” foi escrito para crianças e jovens que se preocupam com questões como estas. Não me proponho apresentar respostas prontas, mas estimular o pensamento, a reflexão, a criatividade diante de um mundo cada vez mais complexo e desigual.

A busca de um mundo melhor; mais fraterno e ecológico, exige decisões e mudanças a partir do indivíduo assim como do governo. Precisamos estar preparados para viver e influir neste mundo.

Vilmar Berna

1
Por que o mar não transborda e invade a terra?

O sol aquece as águas. Elas evaporam e sobem para o céu, formando as nuvens. Os ventos sopram as nuvens para a terra, onde, encontrando o ar mais frio, deixam cair as águas em forma de chuva. Na terra elas escorrem e voltam para os rios, lagos, lençóis subterrâneos, indo novamente para o mar, onde tudo se repete.

A água nunca se esgota, ela apenas muda de lugar, transformando-se de um estado líquido para gasoso — e vice-versa —, por isso, o mar não transborda, pois ora enche, ora esvazia.

A água é fundamental em nossa vida. O ar que respiramos possui duas vezes mais água, em forma ele umidade, que oxigênio. Nosso corpo também é formado por mais da metade de água. Apesar de toda essa importância, o ser humano se agride retirando a umidade do ar com aparelhos de ar condicionado o que provoca ressecamento da pele e das mucosas, além de outros problemas. Isso sem falar na poluição lançada nos rios, lagos e oceanos. As águas, quando evaporam, levam junto os venenos. Em muitos lugares, quando chove, cai ácido das nuvens em vez de água.

2
É Deus quem sopra o vento?

Durante o dia o sol aquece a terra e o mar. Só que a terra esquenta mais rápido que a água. O ar que estava na terra esquenta e sobe para o céu, fazendo com que o ar frio do mar venha para a terra, ocupando o lugar do outro ar que subiu. O vento se forma quando o ar se movimenta assim, de um lugar para outro. Deus não precisa ficar soprando para fazer vento!

3
Foi Deus quem plantou as florestas?

Ao comer um frutinho qualquer, o passarinho engole também a semente. Quando ele fizer coco, a semente vai cair no chão. Se o solo daquele lugar for bom, pode nascer ali uma plantinha. Este é apenas um exemplo de como nascem as florestas. As sementes são muito espertas e descobriram mil maneiras de ser transportadas de um lugar para outro. Umas são levadas pelo vento, outras vão grudadas nos pêlos dos animais, caindo quando secam, ou viajam nas patas dos insetos que pousam em suas flores para beber o néctar. Com tantos jardineiros, Deus nem precisa preocupar-se em plantar florestas, a própria natureza se encarrega disso.

Nada existe isoladamente na natureza, tudo está interligado. Se um animal ou planta desaparecem, aqueles que dependiam deles desaparecerão também. Uma árvores, por exemplo, abriga um verdadeiro ecossistema de insetos, pássaros e outros animais, além de haver a relação com o solo e com o ar.

4
As plantas comem o quê?

Sem o sol a vida não existiria, pois todos os seres se alimentam, direta ou indiretamente, da sua energia. Quando comemos um legume, por exemplo, é a energia do sol que está naquele legume que estamos comendo! A não ser por uns poucos tipos de cogumelos, as plantas são os únicos seres vivos do planeta que conseguem comer a energia do sol diretamente, através do processo conhecido como fotossíntese. Os animais que comem plantas recebem essa energia e, por sua vez, transferem a energia do sol para outros animais quando são comidos por eles.

Assim como a água, a energia do sol não acaba nem diminui, apenas muda de lugar. Quando um animal morre, a energia do sol a qual havia nele será comida por outros animais visíveis e invisíveis. A energia será novamente absorvida pelas plantas, reiniciando todo o ciclo.

5
Plantas também têm nariz?

Claro que sim, só que não é igual ao nosso, mas elas também respiram. Todos os seres vivos, quando respiram, colocam ar bom para dentro, chamado oxigênio, e ar venenoso para fora, chamado gás carbônico. As plantas fazem o contrário. Elas respiram o gás carbônico e jogam fora o oxigênio!
Quem mais contribui com o oxigênio que respiramos são as algas do mar, afinal, nosso planeta é composto de duas vezes mais água do que terra. Ao jogar lixo e óleo no mar, matamos as algas. Daqui a pouco pode faltar oxigênio!

6
Por que as flores são coloridas?

A natureza não fez as flores coloridas e perfumadas apenas por capricho ou vaidade.

Elas têm uma importância muito grande para o equilíbrio da vida no planeta.

O perfume atrai certos insetos, como abelhas, por exemplo, indicando onde está o néctar, substância muito doce sem nenhuma serventia para as flores a não ser alimentar os insetos. Só que, ao alimentarem-se do néctar, os insetos carregam o pólen nas patinhas sem saber. O pólen é a sementinha das plantas, e assim os insetos ajudam a garantir a sobrevivência delas, e elas a dos insetos. Se alguém mata os insetos, nascerão menos flores e, conseqüentemente, existirão menos frutos.

As flores não existem para ser úteis ou para servir aos insetos, nem os insetos existem para garantir a sobrevivência das plantas, apenas cada um cumpre sua natureza de flor ou de inseto, realizando bem o que sabem fazer. A mangueira, por exemplo, não se esforça para dar laranjas. O ser humano é o único animal que tenta ser o que não é, esquecendo-se de sua natureza humana. Passa sua vida tentando acumular bens materiais, fama ou poder, dedicando sua existência ao ter; em vez do ser.

7
Bicho tem alma?

Os cientistas, depois de estudarem os animais em laboratórios, descobrem que eles têm tudo o que o ser humano tem: ossos, músculos, nervos, cérebro, hormônios, indicando que os animais também sentem dor e, assim como nós, têm sentimentos!

Os cientistas também fazem testes com os animais para ver se eles pensam. Os animais não entendem O que queremos, nem respondem como nós achamos que deveriam responder, então concluímos que os animais não pensam. Será? Ou será que os animais pensam, só que de maneira diferente da nossa? Os golfinhos, por exemplo, têm mais de 20 mil tipos diferentes de sinais para se comunica enquanto o ser humano possui apenas cerca de 4 mil. Ou seja, eles entendem-se tão bem por sinais que nem precisam inventar palavras como nós!

E quem disseque bicho não tem alma? Será que Deus resolveu dar alma apenas a nós, humanos? Será que os animais são tão cruéis, maus e indignos a ponto de não merecer também esta dádiva? Ou será que nós, acostumados a afirmar que os animais não pensam nem têm sentimentos, resolvemos também destituir os bichos de ter alma?

8
Existem outros planetas iguais ao nosso?

Até a metade do século passado, os humanos pensavam que a terra fosse o centro do universo. Depois Copérnico comprovou que não era nada disso, nosso planeta não passava de grãozinho de poeira perdido no espaço, comparado com o tamanho dos outros astros.

Claro que isso não quer dizer que somos os únicos no universo, apenas significa que as distâncias são muito grandes e, enquanto não descobrirmos outra maneira de nos comunicar fora da Terra, continuaremos isolados aqui.

Descobrir que a Terra é tão pequena não é motivo para ficarmos tristes ou nos sentir insignificantes. Devemos, ao contrário, nos orgulhar de participar da Criação, com o privilégio de estai conscientes dela. isso, no entanto, aumenta nossa responsabilidade com relação ao planeta, pois sabemos que ele é nossa única morada e, se for destruído, nossa sobrevivência também estará ameaçada!

9
Para onde vão as estrelas durante o dia?

Continuam no mesmo lugar, só que a luz do sol impede que a gente as enxergue. No entanto, elas estão lá, e são milhares. Nunca ninguém conseguiu contar todas as estrelas do céu, nem mesmo com os instrumentos poderosos. Existem mais estrelas que grãos de areia numa praia!

As estrelas parecem pequenas vistas da Terra por causa da distância, mas elas são enormes, muito, mas muito maiores que nosso planeta.

Quando olhamos as estrelas, não são elas que vemos, mas apenas o brilho delas! Isso dá uma idéia da enorme distância que estão de nós. A luz de uma estrela pode viajar milhares de anos no espaço até chegar aqui e, muitas vezes, quando chega, a estrela já nem existe mais.

10
Nós estamos parados no espaço?

Nosso planeta, junto com oito outros planetas do sistema solar, gira em torno do Sol. Os nove planetas não caem no Sol devido à força da gravidade. Não percebemos a velocidade da Terra porque estamos dentro dela. É como se dois ônibus estivessem correndo juntos e nós dentro de um deles. Olhando para o outro ônibus parece que está tudo parado!

A velocidade do nosso planeta em torno do Sol é de aproximadamente 1.800 quilômetros por hora! Mas não é só a Terra que está em velocidade. O Sol também, só que em torno do centro de nossa galáxia. Aliás, nossa galáxia também está em velocidade com o centro do universo. Tudo gira e se move em incrível velocidade, desde o macrocosmo (estrelas, planetas, etc.) até o microcosmo (núcleo do átomo, elétron).

11
Por que não é assassínio matar animais?

O ser humano desespiritualizou a natureza à medida que se afastou dela. Desespiritualizar é uma forma de não conhecer valor espiritual, dignidade, direito à vida e à qualidade de vida. No passado afirmou-se que os índios e negros não tinham alma. Era uma desculpa para explorá-los melhor sem se sentir culpados ou responsáveis. Hoje, fazemos isso com a natureza. Agora podemos olhar uma montanha e pensar em quanto de minério podemos extrair dali. Vemos uma floresta e imaginamos quantas tábuas poderão ser conseguidas. A natureza foi transformada num tipo de depósito de recursos naturais e matérias-primas. E tanto faz se uma floresta for destruída, animais sacrificados, meio ambiente poluído se tudo isso resultar em progresso para nossa espécie, como se tivéssemos o direito de usar tudo e todos.

Essa desespiritualização tem resultado numa relação muito destruidora entre nós e a natureza, como se nossa espécie não fizesse parte dela. A desespiritualização atingiu a nós próprios. Matar outro semelhante numa guerra não é assassínio, mas heroísmo e autodefesa, se o outro for inimigo. Ou melhor, nem precisa ser na guerra, pois na paz existem as execuções em nome da “Justiça”. Para isso, basta ter um argumento qualquer que sirva para desespiritualizar o outro, como se o criminoso fosse um “desalmado”. Com um relacionamento assim entre os indivíduos de nossa própria espécie, não é de estranhar o que acontece com os seres das outras espécies, consideradas “inferiores” pelo homem, como as plantas e os bichos.

12
Adão foi o primeiro homem?

Há cerca de 90 mil anos a espécie humana, como é conhecida hoje, surgiu no planeta. Se foi Deus que a criou ou se foi a natureza, criada por Deus, tanto faz. A imagem bíblica de um primeiro homem, chamado Adão, é uma parábola, das muitas que existiam naquela época para explicar alguma coisa. Uma técnica de ensino ainda hoje utilizada. O importante não parece ser a existência ou não de um Adão, mas de Deus e sua relação com a criação de tudo o que existe. E, sobre isso, não restam dúvidas. Afinal, quem seria capaz de criar tudo o que existe sem um plano ordenado? A idéia da harmonia nascendo do caos é uma impropriedade intelectual tão absurda quanto a idéia de um deus pessoal criando um homem com saliva e pó.

13
Quem é o dono de tudo?

Não existe um dono de tudo. A espécie humana considera-se proprietária do planeta, com amplos direitos para explorá-lo ainda que isso o destrua. Esquecem que, na verdade, não é o planeta que pertence a nós, nós é que pertencemos ao planeta, pois o que fizermos a ele estaremos fazendo igualmente a nós próprios. Se poluirmos os rios, beberemos água envenenada. Se arrancarmos as árvores, esquentaremos o clima, provocaremos a erosão do solo, mataremos os animais. Entretanto o ser humano parece que nunca importou-se muito com isso, pois a natureza, mal ou bem, sempre conseguiu recuperar-se, enquanto a destruição era em escala artesanal. Depois da invenção das máquinas e da adoção de uma política desenvolvimentista voltada para o lucro e não para os benefícios da humanidade, a coisa mudou de figura.

Se antes apenas as outras espécies do planeta é que viviam ameaçadas de extinção, hoje esta ameaça paira também sobre a espécie humana. Injustamente uma minoria muito rica detém a posse do planeta e o destrói em nome do progresso. Acumula poder e riqueza impressionantes e investe o dinheiro que poderia ser destinado a eliminar a miséria do mundo em mais e mais armas, como se já não fosse suficiente destruir o planeta mais de 40 vezes!

14
A árvore é boa porque é útil?

A árvore não existe só para dar sombra ou frutos, faz isso por ser esta a sua natureza. A grama não existe para amortecer a queda de jogadores ou para alimentar cavalos. Os animais não foram criados para devorarem-se uns aos outros. Essa noção de utilidade, que demos aos seres vivos e até a suas próprias atividades, é baseada num conceito falso, como se o direito à vida só fosse digno para aqueles que têm alguma utilidade. Assim os seres humanos decidem, por exemplo, destruir uma floresta viva, para plantar em seu lugar florestas homogêneas ou pastagens, apenas por serem mais úteis.

Ninguém nasceu para ser útil, mas são úteis por que cumprem sua natureza, uns sendo árvores, outros grama, outros cavalos. Apenas o ser humano abandonou a sua natureza e prefere viver segundo regras antinaturais, como beber sem sede, trabalhar além do suficiente para suprir sua sobrevivência, não misturar trabalho com lazer ou lazer com trabalho e, ao final de tudo, o resultado é uma triste figura de robô, bem distante da vida em abundância que Deus desejou para nós.

15
Por que Deus fez as pragas?

Quem fabricou as fabricas fomos nós próprios. Pela exterminação, pela caça e pelos produtos químicos. Por exemplo, hoje há rato em demasia. Eles só se tornaram a temível praga da atualidade após a morte, sem controle, de seus predadores — as aves de rapina, cobras e outros inimigos naturais. Com o extermínio dos predadores, cresce os indivíduos da espécie que servia de alimento a eles. Aconteceu com os ratos, moscas, mosquitos, e tantas outras pragas, sobretudo as das lavouras. E não adianta tentar combatê-las usando venenos. O único resultado é que as pragas adquirem resistência ao tipo e à quantidade de veneno utilizados. Isso nos obriga a aumentar a dose do produto ou mudar de marca, desequilibrando e contaminando ainda mais o meio ambiente e a saúde dos trabalhadores rurais e dos consumidores de produtos com venenos.

Para a felicidade dos fabricantes e infelicidade do solo, rios e atmosfera contaminados, sem falar nas intoxicações dos alimentos e da morte de quem aplica tais venenos, esse quadro permanecerá enquanto continuar a visão predatória de que as leis humanas são mais importantes que as leis da natureza.

Atualmente existem pessoas que se preocupam em plantar de maneira ecológica. Não usam produtos químicos nas lavouras, procuram interferir o menos possível nos ecossistemas, até os recuperando para resgatar o equilíbrio natural. É em pequena escala, ainda, mas demonstra que existem outras alternativas, menos agressivas, de plantar e produzir alimentos.

16
Por que o homem destrói a natureza?

Acusar a humanidade inteira de responsável pela destruição do planeta é cometer o erro de generalizar demais, colocando para ocultar e manter impunes os verdadeiros agressores. O poder de decisão não está distribuído de maneira igual, portanto também não pode ser igual a responsabilidade pelo seu mau uso.

A poluição, por exemplo, não decidiu que os governos deveriam deixar de investir na erradicação da miséria, para fabricar armas. O povo seguramente iria preferir investimentos que garantissem mais casa, comida, educação, saúde e trabalho à fabricação de armas para matar outras pessoas. Acusar a humanidade por uma decisão como esta é manter impunes as pessoas que decidiram, em nome do povo, muitas vezes enganando e induzindo a opinião pública. Uma minoria está tomando decisões pela grande maioria e, o que é pior, estas decisões nem ao menos são justas, pois não visam a beneficiar o povo do planeta, e sim prová-lo ainda mais de sua dignidade, segurança e qualidade de vida, apenas para que uns poucos possam continuar mantendo seus privilégios de riqueza e poder.

17
Por que o Estado não acaba com a poluição?

Não é por falta de leis que a natureza é destruída, mas pela falta de vontade política dos governos, para executar tais leis. E isso tem um motivo muito simples: o Estado não é neutro! Ele é uma entidade abstrata, composta, na verdade, por pessoas com interesses quase sempre conflitantes. A política é a arte de harmonizar esses interesses, pois a ela cabe a função de olhar para o futuro, adotando políticas que não sejam imediatistas, resolvendo um problema agora, mas causando outro depois. Mas quem faz a política?

Uma eleição custa muito dinheiro, por isso os políticos que almejam ser eleitos comprometem-se, às vezes inescrupulosamente, como o poder econômico. O resultado é que os políticos — e isso inclui o Estado e suas instituições — ficam engajados e comprometidos com o poder econômico, ou por fazerem parte dele, ou por serem financiados por ele. Desse modo como agir contra ele? É como colocar a raposa para tomar conta do galinheiro.

Uma vez no poder, o político eleito nestas condições vai tratar, naturalmente, dos interesses daqueles que o financiaram, impedindo que qualquer coisa os atrapalhe, como greves ou lutas pela preservação do meio ambiente. Claro que existem exceções. Pobres e trabalhadores também se elegem, mas são minoria. Basta olhar para os políticos da atualidade e verificar se representam efetivamente o povo que os elegeu.

18
O capitalismo é contra a natureza?

Se o capitalismo é responsável pela poluição e degradação ambiental, então nos países de regime diferente essas coisas não aconteceriam. A realidade é que acontecem. Nos países comunistas e socialistas, onde se adotou o mesmo modelo industrial de desenvolvimento, o meio ambiente sofre os mesmos tipos de agressões. O mais grave ainda é quando se combina um modelo predatório de desenvolvimento com falta de democracia.

Muita gente acha que as questões ecológicas são muito importantes, mas secundárias, diante da grande luta por uma sociedade sem classes, onde os trabalhadores estarão no poder. Isso seria verdadeiro se, nos países onde isso já aconteceu, não continuasse a existir a poluição ou exploração ilimitada dos recursos limitados do planeta. Isso não quer dizer que seja secundária a luta pela distribuição de renda ou pela justiça social, mas apenas que as duas devem andar juntas, pois não se pode viver a justiça num planeta devastado.

19
Trabalhador também deve lutar pela ecologia?

Existem pessoas que pensam que o trabalhador não deve envolver-se em luta ecológica, pois esta questão diz respeito apenas a quem não precisa mais lutar por emprego, comida, moradia. Esquecem que os maiores prejudicados com a poluição são exatamente os pobres, que não podem optar por morar em bairros melhores, arborizados, com água e esgoto e bem longe da poluição das fábricas e principalmente os próprios trabalhadores que se contaminam no meio ambiente das fábricas poluidoras.

O modelo predatório de desenvolvimento se importa com lucros rápidos e imediatos, por isso fabrica o que dá mais lucro. Para esse modelo tanto faz produzir canhões ou manteiga, produtos preparados para dar defeito ou tão fracos que logo o consumidor precise comprar outro, poluentes ou não, ou que sejam descartáveis após o uso.

20
Lutar pela ecologia é só defender a natureza?

Lutar apenas contra a destruição do meio ambiente é atuar sobre os efeitos sem mexer nas causas, como se adiantasse colocar um balde embaixo da goteira sem consertar o telhado! As causas não são originalmente econômicas ou políticas, mas espirituais.

A destruição do momento em que o ser humano, e isso inclui ricos e pobres, deixou de considerar-se parte dela.

A luta ecológica deve ser capaz de aliar-se aos movimentos populares que reivindicam mais liberdade, menos exploração, o combate a qualquer tipo de discriminação, pois a humanidade jamais compreenderá o que é ter um relacionamento mais harmônico com a natureza, enquanto o relacionamento do ser humano com os outros indivíduos de sua própria espécie for baseado na exploração de um pelo outro. Ou seja, como poderá compreender a desespiritualização se sofre a desumanização?

21
Os ecologistas são contra o progresso?

Há alguns anos, países desenvolvidos, assustados com a destruição dos recursos naturais não-renováveis, defenderam a tese de que a economia devia congelar seu crescimento nos níveis em que se encontrava. Logo à primeira hora pareceu a solução para os problemas ambientais, e até mesmo alguns ecologistas chegaram a aderir. Infelizmente, entretanto, o que motivava os países desenvolvidos, autores da idéia, não era nenhum sentimento de culpa ecológica tardio pelo que fizeram ao planeta, mas a destruição da natureza nos países pobres, seus tradicionais fornecedores de matérias-primas baratas. Por outro lado, impedir o progresso dos países em desenvolvimento sob o argumento de que destrói o planeta é uma forma de afastar as atenções sobre um tipo de progresso, promovido nos países ricos que, efetivamente, é o responsável pela destruição.

Os problemas ambientais não serão solucionados com os países parando de crescer, mas modificando a maneira de crescer. É importante frisar bem que os ecologistas não são contra o progresso, mas contra um tipo de progresso que não leva em conta o meio ambiente e a saúde da população. O que não se quer é a fabricação de produtos inúteis, poluentes, perigosos ou supérfluos apenas gerando lucros para uns poucos, em vez de benefícios para a maioria.

22
Ecologista não deve meter-se em política?

Certas pessoas ainda acham que é possível tapar o sol com a peneira, ou seja, lutar pela ecologia defendendo apenas os animais ou sítios especiais ameaçados, mantendo relações cooperativas com o poder econômico responsável pela destruição, como se, de um dia para o outro, ele fosse se sensibilizar com a causa da natureza.

É claro que ecologista tem de “se meter” em política, pois é através dela que vai conquistar aliados nos outros movimentos populares, aumentando sua força. Mas é preciso não confundir política com partido político. Isso também não significa que partidos políticos não devam se meter em ecologia, apenas que a ecologia não deve ser bandeira de luta de um único partido. Deve estar presente em todos eles. O que não impede, porém, a um partido político dedicar-se mais profundamente à causa ecológica.

O importante é que todas as pessoas com sensibilidade — sejam políticas, militantes, apolíticas — lutem pela defesa da ecologia à sua maneira, procurando aliados em todos os outros segmentos da sociedade, pois não basta uma reivindicação ser justa para garantir a sua vitória. É preciso que tenha força.

23
A luta em defesa da natureza é mesmo urgente?

Sim, porque, uma vez destruída ou poluída, recuperar a natureza custa muito mais caro. Se as indústrias e o próprio governo recusa-se a estimular tecnologias antipoluentes, porque as acham caras, imagine quando tiverem de gastar muito mais para recuperar o meio ambiente degradado. Além disso, o ritmo da destruição está-se acelerando assustadoramente e seus efeitos já se fazem sentir em todo o planeta. Se continuar por mais alguns anos, tudo o que for conquistado, seja em bens materiais, seja em justiça social, não poderá ser usufruído por ninguém!

Por outro lado é preciso estar atendo à armadilha que representa o uso da tecnologia antipoluente. Na verdade o modelo predatório de desenvolvimento descobriu uma maneira de lucrar mais uma vez: fabrica máquinas antipoluentes e, ao mesmo tempo, afasta a crítica de ser insensível diante dos problemas ambientais, passando a falsa impressão de que não existe nada de errado com o atual modelo de desenvolvimento, baseado na exploração ilimitada de recursos naturais limitados e adeptos de lucros crescentes e imediatos.

A tecnologia de despoluição é importante apenas enquanto se efetua a transformação da economia, saindo de um modelo predatório para um modelo ecológico, mas não exclui a necessidade de uma posterior reformulação.

24
A luta ecológica é um modismo?

A humanidade viveu muito tempo com a idéia de que a natureza era um bem inesgotável, gratuito e eterno. Agora vemos que estávamos enganados. Entretanto esta constatação não está ocorrendo de maneira simultânea em todos os países; alguns governantes continuam estimulando um tipo de desenvolvimento que nos levará certamente a um fim imprevisível.

Se pretendemos preservar a vida, precisamos começar a adotar uma posição contrária a tudo isso que tem sido feito contra o planeta. Nas outras épocas, principalmente no século passado, os seres humanos preocupavam-se mais com as relações humanas que com a relação homem-natureza, com resultados devastadores. As próximas gerações precisarão enfrentar o desafio de um futuro sem muita literatura ou mesmo prática sobre como é viver numa nova relação com o planeta e deverão descobrir por si mesmas estes novos caminhos.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Informações Adicionais

Our website is protected by DMC Firewall!